Introdução

por Daniel Amélio dos santos

Osíris Bahr mora em uma das poucas colônias surgidas muitos anos após a era apocalíptica. Não existem mais países ou estados, apenas um pequeno número de comunidades, isoladas e distantes, que lutam a todo custo para sobreviverem de forma cada vez mais individualista. Além de seus portões, há uma terra devastada, repleta de cidades mortas e perigos, promovidos por vulgos e seres de passado obscuro.

Osíris Bahr é um menino introspectivo e avesso ao seu tempo. A única pessoa que ele confia, é seu pai, que procura protege-lo como pode diante de suas dificuldades de ser como os outros.

Aos quatorze anos, uma invasão violenta na colônia, muda a vida de Osíris. Muitos moradores desaparecem, inclusive seu pai. Osíris sofre, mas se recupera com a ajuda de seus novos amigos – Tales, um rapaz impulsivo e eloquente, e Ester, uma rebelde, porém muito inteligente filha de militares da colônia. O tempo passa e, ao descobrir que alguns moradores podem ter sido levados como escravos para Sentrum – uma cidade torre gigantesca, milhares de quilômetros ao norte. Osíris Bahr decide atravessar os portões da colônia em busca de seu pai.

Na Terra devastada, Osíris e seus amigos, vão enfrentar os mais estranhos perigos com muita criatividade e sorte, vão se deparar com criaturas obscuras e enfrentarem um mundo que poucos colonos ousaram conhecer.

Na  grande Cidade Torre, o trio chega, sem querer, com uma colossal tentativa de invasão, originada de outra Cidade Torre que pretende derrubá-la para pilhar seus recursos. Osíris e seus amigos conseguem entrar e se espantam com o tamanho e a complexidade de uma colônia tão grande e fechada. Enquanto Osíris, Tales e Ester, tentam, como intrusos, correr contra o tempo, eles percebem que sua missão ainda vai muito além de sua busca, podendo não só mudar as suas vidas, mas também o mundo.